Notícias

Em fase de euforia, setor de franquias faz sua feira

O Estado de S. Paulo

País já é o quarto do mundo no setor após ganhar 4 franqueadas por hora em 2010

O mercado de franquias vive um momento de euforia. Em 2010, o País ganhou quatro unidades franqueadas por hora e o setor atingiu quase R^óbilhões defaturamento. As previsões para 2011 também são otimistas: a Associação Brasileira de Franchising (ABF) estima crescimento de 15% na área em relação ao ano passado.

Já somos o quarto país do mundo em número de marcas e o sexto no total de unidades, diz o diretor executivo da ABF, Ricardo Camargo. Para ele, o ritmo do crescimento do setor vem acelerando há cinco anos, por causa dos bons resultados da economia brasileira. É nesse cenário que se realiza a 20a edição da ABF Franchising Expo (leia na pág. O4)

Aproveitando a boa fase, muitas pessoas se animam para realizar o sonho de ter o próprio negócio, ao mesmo tempo em que muitas empresas usam a franquia para se expandir. Após se divorciar, a psicóloga Maria Ignez, de 51 anos, resolveu mudar completamente sua vida. Além da separação, também abandonou a profissão após 20 anos de carreira para apostar no empreendedorismo.

Como não tinha experiência em gerenciar um negócio, achei mais seguro procurar o franchising, afirma Maria. Ela pesquisou marcas, conversou com amigos, consultou o Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e franqueados e estudou diversos setores de atuação. No final de 2010, após muito procurar, resolveu fechar negócio com a franqueadorade lavanderias Lavasecco. Não entendia nada do ramo e, para mim, o apoio dado pela marca fez a diferença para minha escolha.

Selecionado o ponto e com tudo pronto, a sua loja abriu no dia 25 de abril, na Vila Leopoldina. Apesar das longas jornadas de trabalho, como administradora e balconista, Maria está realizada. Foi uma surpresa positiva. Descobri que adoro a rotina e sinto-me desafiada a cumprir as metas que estabeleci. Agora, já penso em abrir outra loj a no futuro.

Outro que abandonou seu emprego para abrir uma empresa foi o engenheiro do setor de telecomunicações Vanderlei Ambrózio, 43. Ele cogitava a idéia havia dez anos, mas postergava, sempre pesquisando por novos negócios. Em junho de 2010, apostou no ramo da alimentação e se tornou franqueado da cadeia de restaurantes Jin Jin Wok.

Apesar de eu ter uma carreira sólida como engenheiro, eu buscava algo mais. Queria mudar de vida e ter a satisfação de ser empreendedor, diz.

Ambrózio se demitiu em outubro de 2010 e, em janeiro deste ano, abriu sua loja em um centro empresarial no Jardim São Luís.

Hoje, estou realizado, afirma ele.

Para o consultor de marketing do Sebrae de São Paulo, José Carmo de Oliveira, a vantagem das franquias é que são uma fórmula testaáae com apoio gerencial.

Sobrevivência. A taxa de mortalidade de uma franquia no primeiro ano é de 1%. Em uma micro oupequena empresa esse número chega aos 22%, diz. Mas ela não é uma boa idéia para quem não gosta de seguir normas e os padrões estabelecidos pelo franqueador.

O consultor Marcus Rizzo dá uma dica para escolher a franquia certa. É preciso identificação com o ramo e a empresa, não apenas com o valor da franquia. Ele também recomenda que, antes de fechar negócio, se converse com franqueados recentes e outros que já estão há dois anos no ramo. Eles dirão como está o mercado.

O consultor também pede cuidado com as microfranquias que custam até R$ 50 mil. Tenha cautela adicional com elas, pois esses franqueadores, pelo seu tamanho, podem não oferecer o suporte que prometem.

:: Voltar
av. senador casemiro da rocha, 609 cj 51 • saúde • cep 04047-001 • são paulo • sp
fone: +55.11.2276.0048 | 11.2577.1115 | 11.4562.1116 | (oi dub): 11.96656-0048